Green

voltar

'Emissão de gases de efeito estufa é a pandemia do século 21'

Segundo Julio Meneghini, zerar a emissão de gases do efeito estufa é o caminho para o futuro, já que esse tipo de gás causa mudanças climáticas e impactos severos que podem perdurar por décadas


23/04/2021 13:38
'Emissão de gases de efeito estufa é a pandemia do século 21' A meta de zerar a emissão dos gases de efeito estufa até 2050 é possível e pode ser aplicada no Brasil. | Foto: Pixabay-CC

Um estudo conduzido pela Universidade de Princeton apresentou uma análise de alternativas para a produção de energia sem a emissão de gases poluentes nos EUA. A pesquisa concluiu que a meta de zerar a emissão desses gases até 2050 é possível e pode ser aplicada no Brasil.

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, Julio Meneghini, professor do Departamento de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica (Poli) da USP e diretor científico do Centro de Pesquisa para Inovação em Gás (RCGI), afirma que zerar as emissões de gases do efeito estufa é o caminho do futuro. Esses gases são responsáveis, entre outros problemas, pelas mudanças climáticas e tem a produção de energia como principal responsável pela emissão na atmosfera.

Para Meneghini, a emissão de gases é “a grande pandemia do século 21”, já que as mudanças climáticas vão durar décadas e os impactos devem ser severos, tanto para a humanidade quanto para o planeta.

O estudo procurou apresentar cinco alternativas para alcançar, em 2050, uma economia descarbonizada, na qual o saldo geral de emissão de carbono equivalha a zero. Entre as possibilidades estão a eletrificação da energia, a recaptura do carbono, a biomassa e a utilização de tecnologias para a produção de energia renovável, como solar e eólica. Cada alternativa tem aplicações e viabilidades diferentes.

O caso brasileiro tem diferenças em relação ao dos Estados Unidos, mas um estudo conduzido em parceria com a Universidade de Princeton avaliará a aplicação dessas alternativas no País. “Nós temos uma condição quase única no mundo, de fazer com que o etanol tenha aquilo que é chamado de ‘pegada negativa de emissões de gases de efeito estufa’”, afirma Meneghini.

A vantagem do etanol deve-se ao fato de que a própria cana-de-açúcar captura gás carbônico da atmosfera para realizar seu processo metabólico. Porém, as máquinas utilizadas na produção do combustível são movidas à base de diesel. Dessa forma, é preciso substituir o combustível por outras fontes de energia, que não emitam gases poluentes. Assim, o etanol brasileiro poderá se tornar negativo no que diz respeito aos gases poluentes. | Por Jornal da USP 

leia também

VER TODAS ›
LEIA EDIÇÃO IMPRESSA › Deslumbre traduzido em madeira, vidro e pedra.

Deslumbre traduzido em madeira, vidro e pedra.

Anunciantes

® 2021 Sacada. Todos os Direitos Reservados
Tacitus Tecnologia

Parceiros

  • ABAF
  • Sinduscon
  • CRECI
  • Ebade
  • ADEMI-BA